quinta-feira, novembro 22, 2007

Um sopro de vida (Pulsações)




Não tenho boas lembranças de finais de ano. A impressão que tenho é que chega outubro e a coisa degringola, como se meu inferno astral começasse três meses antes. Este tem sido especialmente amargo. Muitas perdas, muitas dores, um coração partido. Bem, ao menos serve para lembrar que eu ainda tenho um e ele pulsa insistentemente!

Well, a última crise que tive, descobri Clarice Lispector e sua "A paixão segundo G.H". Uma das melhores coisas que já li em minha vida. Daqueles livros de atordoar, de te mostrar novos caminhos, novos experimentos. Então, aproveitando o momento de tempestade, e que oxalá venha o sol claro e escaldante em seguida, retomo Clarice e nas primeiras palavras já me embriago. Para dias de fossa, nada melhor que um bom escritor! Eles são capazes de fazer milagres pelas nossas pobres almas!

"Eu escrevo como se fosse para salvar a vida de alguém. Provavelmente a minha própria vida. Viver é uma espécie de loucura que a morte faz. Vivam os morto porque neles vivemos.

De repente as coisas não precisam mais fazer sentido. Satisfaço-me em ser. Tu és? Tenho certeza que sim. O não sentido das coisas me faz ter um sorriso de complacência. De certo tudo deve estar sendo o que é". (Clarice Lispector)

Um comentário:

j disse...

Saudades, menina!